Campanhas contra violência doméstica pedem atenção durante pandemia

0

Desde o começo da pandemia, a preocupação voltada à consciência pública sobre a violência doméstica, cresceu. O fator é que durante quarentena, alguns institutos nacionais avaliaram o aumento dos casos de agressão contra a mulher no Brasil.

Estes indicadores apontaram que o índice de feminicídios no país, obteve um aumento de 22,2% nos primeiros meses de quarentena. A partir de março, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou a respeito da situação, em razão de que o isolamento social pudesse aumentar a vulnerabilidade de mulheres contra violência. Desde então, diversas formas de prevenção foram surgindo, entre elas, campanhas de conscientização para denúncias.

Foto: Divulgação/Governo Federal

Em Santa Maria, os indicadores de agressões domésticas decaíram nos primeiros meses de 2020, mas o fator é que ainda, se fazem presentes em massa. Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) revelam que todos e quaisquer atos do tipo, apresentaram redução no município, quando comparados ao mesmo período de outros anos. Assassinatos de mulheres em contexto de gênero, caíram em 33,3%. Outros registros, igualmente, tiveram suas estatísticas reduzidas. São eles: ameaças (12,81%); lesões corporais (18,16%); tentativa de feminicídio (50%). Em contramão, foi registrado um aumento no índice de estupros, chegando a 62,5%.

A respeito dos movimentos conscientizadores, o Comitê Gaúcho ElesPorElas, da ONU Mulher, divulgou a Campanha Máscara Roxa, no Rio Grande do Sul, viabilizando a denúncia por quaisquer ameaças ou agressões, em farmácias que conterem o selo “Farmácia Amiga das Mulheres”, durante a quarentena.

Em Santa Maria, já existem 17 farmácias vinculadas à campanha, as quais receberam a preparação necessária para funcionários, a fim de que possam conduzir o procedimento de maneira correta e com segurança. Ao encaminhar-se para o local, a mulher deve solicitar a máscara roxa e uma senha para que o atendente saiba que se trata de uma urgência. Toda e qualquer informação recebida pelo mesmo, será encaminhada à Polícia Civil.

Outro método de identificação utilizado, é a Campanha Sinal Vermelho, usado pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). Tal método consiste em um desenho de “X” na mão, para que ao exibi-lo ao funcionário da  farmácia requisitada, acione as autoridades. Até então, em Santa Maria, participam as redes Panvel e qualquer estabelecimento que contenha o selo citado anteriormente, estão à disposição para receberem denúncias.

BM de Frederico Westphalen adere as campanhas “Máscara Roxa” e “Sinal Vermelho” – Foto: Sd Froner – 37º BPM

Contudo, existem outras maneiras de buscar ajuda. Entre elas, contatar por telefone a Brigada Militar (190), a Central de Atendimento à Mulher (Disque 180) e o Disque Denúncia (181). Em caso presencial, os endereços indicados são: Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), de segunda a sexta das 8h às 18h (situada na Rua Duque de Caxias, em frente à Praça Saturnino de Brito); Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA), funciona 24 horas (situada na Rua dos Andradas, entre as ruas Duque de Caxias e Serafim Valandro).

Deixe Um Comentário

×